2ª via de boleto
 
  • Artistas homenageiam a Hípica com pintura em cavalo

    Em comemoração aos 70 anos da Hípica, dois cavalos de fibra de vidro ganharão o talento dos artistas plásticos Stella Nanni e Caetano de Lima. O primeiro está pronto, foi concluído em agosto, enquanto o outro entra em processo de criação sob a ótica de Caetano de Lima no início de outubro. Ambos ficarão expostos nas dependências do clube, de modo itinerante, até o final do ano para que todos os sócios possam apreciar.

    Stella fez colagem com fotos antigas da SHC (montagem do clube, primeiras provas, cavaleiros e amazonas) na parte de inferior do cavalo e pintura colorida e gestual, fortemente influenciada pelo expressionismo, em cima. “A pintura representa o mundo de hoje. Deixei a tinta sobrepor as fotos antigas, representando nossa história como base e o futuro mais solto e livre”, explica Stella.

    Durante o trabalho, entre 30 de julho e 4 de agosto, o espaço, dentro da Senzala, ficou aberto para visitas e interação com os associados de todas as idades com a artista. O dia de finalização, entretanto, foi voltado às crianças com uma manhã recreativa temática Hípica 70 Anos.

    Tiveram atividades artísticas, como colagens e pinturas, e voltadas ao hipismo - pequenos obstáculos e um barril de volteio foram montados para a turminha se divertir. Todos que passaram por lá receberam um cavalinho de pau que puderam personalizar da sua maneira.

    A mesma dinâmica ocorrerá nos dias 4 a 7 de outubro, simultaneamente o Concurso de Salto Nacional (CSN) da Hípica, quando Caetano de Lima assume as rédeas do segundo cavalo, prometendo surpresa na arte que será um dos símbolos da celebração do aniversário do clube.

     

     

    %GALERIA[677]%

    Em: 27/08/2018
  • Esclarecimento sobre a área do lago do clube

    Prezados associados,

    Em decorrência de alguns acontecimentos, gostaríamos de esclarecer alguns pontos sobre a saúde a área do lago do clube:

    1. Capivaras

    Conforme informativo publicado no site da Hípica em Junho, estamos acompanhando de perto as capivaras que entraram no clube. Já fizemos os levantamentos necessários e os animais têm entrado pela portaria 1, de madrugada. Todas as tubulações são fechadas e não há buracos ou espaços nas cercas do clube. No total, quatro animais entraram na área. Isso vem ocorrendo em decorrência da superpopulação de capivaras no parque ecológico. Dois destes animais já foram capturados e retirados com apoio e supervisão de destino da polícia ambiental. Por se tratar de um animal silvestre, qualquer tipo de maus-tratos é crime. Os animais capturados foram soltos em áreas de preservação ambiental.

    Os animais têm que ser capturados com armadilhas específicas, já que a contenção anestésica submete os mesmos ao risco de afogamento. As armadilhas estão montadas e em breve esperamos destinar os outros dois animais. Como forma de prevenção para evitar a entrada de novos animais, estamos instalando alguns aparelhos de ultrassom repelente de roedores na saída da portaria 1. Três aparelhos serão instalados e testados esta semana.

    1. Saúde do lago

    Nestes dois anos, diversos levantamentos e mudanças foram realizadas na área do lago. Desde a mudança do manejo nutricional dos animais (patos, gansos e cisnes) para ração específica de aves aquáticas até o acompanhamento da saúde dos mesmos, através de exames de fezes e sangue periódicos. É realizada a vermifugação trimestral dos animais. Quando iniciamos o trabalho, era comum a visualização de urubus na beira do lago se alimentando de carcaças. Conseguimos reduzir em mais de 80% a mortandade de peixes.

    Neste período do ano e devido à estiagem a qual estamos passando, é possível que em alguns dias o cheiro do lago fique mais forte. Isto ocorre por causa do baixo nível de água associado com a grande quantidade de compostos orgânicos, principalmente no ponto de vazão do lago, próximo a ponte. Por este motivo, neste mês de agosto estaremos utilizando alguns produtos biológicos que auxiliam e aceleram a decomposição deste material e melhoram a oxigenação do ambiente.

    É importante salientar que o ambiente encontrava-se em desequilíbrio e até se reestabelecer são necessários anos de manejo adequado, por este motivo, é proibido a soltura de animais, patos ou outras aves sem a autorização do clube.

    1. Epidemiologia

    Quando iniciamos o trabalho, diversos exames foram realizados e muitos microrganismos patogênicos foram encontrados no ambiente. Desde parasitas e protozoários, como também algumas bactérias. Realizamos o tratamento dos animais e do ambiente e acompanhamos periodicamente através de exames. Devido à isso, a soltura de animais no clube por associados e funcionários, como outras aves, inclusive patos, fica proibida sem prévia autorização.

    Também estamos fazendo varreduras constantes no parque das crianças para evitar o aparecimento de escorpiões e aranhas. As mudanças realizadas na área no mês passado surtiram o efeito desejado e mais nenhum animal foi encontrado.

    Estamos à disposição para maiores esclarecimentos.

    Atenciosamente

    Diogo Siqueira – Médico Veterinário

    Diretoria de saúde e ambiente

    Em: 09/08/2018