2ª via de boleto
 

Os presidentes da diretoria Executiva, Pedro Pupo Nogueira, do Conselho Deliberativo, Márcio Urbano e do Conselho Fiscal, Paulo Zakia da Sociedade Hípica de Campinas falam sobre as medidas do Comitê de Gestão de Crise do clube e as atividades imprescindíveis ao andamento da SHC, incluindo a reunião do Conselho Deliberativo, que foi convocada por ordem estatutária, ou seja: a convocação é obrigatória!
O presidente do Conselho Deliberativo ainda estuda as possibilidades para a realização da reunião dentro das orientações preventivas sobre o Covid-19 e destaca que a preocupação é com a saúde de todos!
Como ocorre tradicionalmente na gestão da Hípica, a reunião contempla a apresentação/aprovação do Plano de Obras, que vem sendo elaborado há meses e que já foi avaliado pelas comissões de Obras e de Finanças do CD.
Já o Conselho Fiscal tranquiliza os sócios revelando os números do clube – que o CF avalia desde fevereiro -, como o superávit acumulado de mais de quatro milhões, que representa 1.456% acima do obtido na última gestão. Todos os índices de liquidez são positivos da ordem de 40%. Com isso, o CF tem a tranquilidade de afirmar que a situação financeira do clube faz frente a todas as obras elencadas!
O Presidente da Diretoria executiva ainda esclarece sobre a correção monetária da taxa de mensalidade vigente em 2019, já que todas as despesas do clube são indexadas pela inflação. Setenta por cento da arrecadação da taxa de mensalidade é consumida por folha de pagamento dos colaboradores, encargos sociais e benefícios legais que são obrigatórios. Também todos os prestadores de serviços são indexados pela inflação, assim como todos os insumos necessários para gerir o clube.
Sobre as obras: a impressão que se tem, após comentários nas mídias sociais, é a Diretoria e os Conselhos se envolveram em uma correria para ‘criar’ um plano de obras...
Isso não é verdade.
O Plano de Obras é estudado com muita antecedência, critério e com conhecimento da grande maioria das pessoas envolvidas na gestão do clube. Felizmente, este ano, a proposta é investirmos R$ 7 milhões no clube, o que será possível graças ao excelente  desempenho financeiro do último ano.
As obras são necessárias para que o clube não envelheça!
Uma das obras propostas vai abrigar um espaço multiuso para yoga, pilates, danças, lutas, pois hoje temos mais de mil sócios na fila das modalidades esportivas e um centro de estética. Com isso também reformaremos a sauna. Assim, estaremos modernizando as estruturas que leva à valorização do título e trazendo serviços de alta qualidade aos associados.
O presidente do Conselho Deliberativo ainda informa sobre todo o trâmite que há décadas, culmina com a reunião do CD, que avalia as ações propostas para o clube. Todos os órgãos da SHC são independentes e têm critérios rigorosos de avaliação das propostas.
Ele ainda destaca que os conselheiros devem satisfação aos sócios que os elegeram. Mas cada conselheiro também sua responsabilidade estatutária de ler e estudar com rigor os balanços e plano de obras apresentados.
O fato de o clube estar fazendo investimentos deve-se à austeridade da administração, pois a mensalidade não será atualizada para fazer obras. Todas as gestões nos últimos 10/20 anos administraram a SHC com o mesmo patamar de mensalidades.
Quem consegue fazer investimento é quem registrou eficiência na administração!
Os presidentes dos três órgãos da SHC se colocam à disposição dos sócios para dirimir quaisquer dúvidas!

Compartilhe